terça-feira, 23 de junho de 2009

Diplomada sim e com muito orgulho!!

Faço minhas as palavras de uma colega de classe e profissão... Camila Garcêz
Miss Ilhabela, mto bom o que vc escreveu!

Os jornalistas assistiram boquiabertos ao show de negligência protagonizado pelos senhores ministros do Supremo Tribunal Federal que assassinaram a exigência do diploma do profissional do jornalismo.
Sou aluna da Universidade de Taubaté e estou em fadse de conclusão de curso, trabalhando arduamente em cima de um Projeto Experimental que somado as minhas notas do 4° ano permitirão que eu receba o meu diploma e seja considerada uma jornalista graduada.
Mesmo atuando na área desde o primeiro ano da faculdade, nunca ousei dizer que era jornalista, pois estava me esforçando para poder dizer isto com orgulho. E sei que ao final da apresentação do meu TCC poderei declarar em alto e bom som que sou sim uma jornalista diplomada.
O discurso de todos os jornalistas é unificado e faço de todos os artigos que recebi dos meus colegas e mestres com quem muito aprendi e estou aprendendo durante minhas aulas e estágios, as minhas palavras, pois se qualquer um pode ser jornalista então qualquer um pode ser médico, advogado ou engenheiro.
Mas, o que mais me preocupa é a qualidade da informação que chegará até as casas dos cidadãos brasileiros, pois nós somos profissionais que temos compromisso com a ética e desde o primeiro ano da faculdade convivemos com a responsabilidade de prezar pela informação imparcial e séria.
Querendo ou não, somos formadores de opiniões, pois a sociedade se baseia em notícias investigadas, apuradas, escritas e editadas por jornalistas.
A pergunta que faço é: Onde vamos chegar com essas decisões? Tantas outras coisas mais importantes para serem questionadas neste país e o profissional do jornalismo é quem vai pagar o pato?
Os veículos sérios e renomados de comunicação se comprometeram em continuar exigindo profissionais qualificados e consequentemente diplomados, mas o que assusta é que jornalecos partidaristas e parciais poderão circular livremente sem um jornalista responsável que possa identificar erros éticos e morais. Não que atualmente isso não aconteça, mas com certeza a partir de agora o número dessas publicações aumentará vertiginosamente.
Primeiro acabaram com a Lei de Imprensa, concordo que está já estava obsoleta e não correspondia mais com o cenário atual, porém um campo tão complexo não pode ficar sem algo que o regule. Talvez essa seja a hora da classe de jornalistas se unir e mostrar a força que tem.
Quero me formar acreditando que podemos fazer a diferença. Já ouvi muitas piadas com o jornalista por esta vergonha toda, mas não me abalo, pois acredito em meu potencial e sei que vou fazer a diferença com a minha qualificação, pois mesmo que estivesse começando a faculdade este ano, sem a exigência do diploma, ainda assim concluiria meu curso, porque só os profissionais sérios e com a bagagem adquirida na faculdade serão capazes de dar continuidade a história do jornalismo no Brasil.

Um comentário:

  1. sou suspeito de falar da Ilha Bela !!
    só sei que ela mandou muito bem

    ResponderExcluir